Peugeot anos 60

O Fernando trouxe-me esta Peugeot (ou o que restava dela) para uma reconstrução.

A bicicleta estava num péssimo estado, tendo sido abandonada durante algumas décadas. Como eu tenho um fraquinho pelas bicicletas francesas, não disse que não. Sabia que ia ser um desafio. Mas iria valer a pena. Para além disto, a bicicleta tem um valor sentimental para o Fernando. Logo aí, há que garantir que a Peugeot continue a andar.

P1170818

Pois. Nota-se que foi abandonada. Ferrugem em todo lado, selim de couro completamente ressequido, travões inutilizados, um pedal e uma manivela de pedal torta, pintura à trincha, etc etc etc. Coitadinha!

P1170821 P1170852

A primeira parte do trabalho foi claro está, desmontar a bicicleta. Com estas bicicletas antigas, há sempre alguma coisa que corre mal. Ora é o espigão de selim que não sai, ora é o avanço. Neste caso, foi a pedaleira. Depois que alguma luta, lá saiu e assim foi possível preparar o quadro para pintura.

P1170869

Pronta para pintar!

E claro, a parte por vezes difícil é escolher de que cor pintar a bicicleta. O cliente pediu cor de rosa. Sim, sei que é uma cor que não vai reunir consenso. Mas, como o cliente tem sempre razão, e sabendo que ainda bem que não gostamos todos de amarelo (ou neste caso, cor de rosa), lá foi o quadro (e garfo) para a pintura!

Após a pintura, a montagem foi relativamente tranquila. Os travões tiveram de ser substituídos por uns LUSITO que apesar do seu baixo preço, cumprem a sua função.

Os pneus foram substituídos por uns Vee Rubber. A medida é  a mítica 650 B, que tanto gosto, mas que às vezes se pode tornar um bocado chata quando se quer um pneu diferente.

Tanto a bomba como o selim foram substituídos. O pedal e manivela de pedal também foram substituídos, graças ao arquivo gigante da Velo Corvo. Pelos vistos faço bem em guardar muita coisa porque pode dar jeito um dia!

O resultado final? Ora aqui está ele:

P1170902

Terminada mesmo a tempo para fazer uma bela prenda de aniversário!

P1170903

P1170905 P1170907

Uma coisa é certa: a bicicleta não deixa ninguém indiferente. E sempre tenho a satisfação em saber que é mais uma bicicleta francesa que ganha vida!