Viagem Lisboa – Montargil- dia 2: um dia rigorosamente sem bicicleta

Dia de descanso!

Tirando lições da última viagem que fizemos, definimos logo que haveria um dia para descansar. Afinal de contas, lá por estarmos a andar de bicicleta, não quer dizer que tenhamos de sofrer horrores!

Ao contrário do primeiro dia, o Sol não brilhava. E até estava um bocadinho desagradável.  A piscina tresandava a cloro. Era dia de vestoria. E as moscas eram muitas. E as crianças só faziam barulho. A piscina não era para nós.

Fomos então até à barragem.

A vista era de facto bonita.

A vista era de facto bonita.

 

 

Efeito espelho e tudo!

Efeito espelho e tudo!

 

 

 

 

Ahhh , a toalhinha a assentar naquelas pedrinhas.

Ahhh , a toalhinha a assentar naquelas pedrinhas.

 

Não era o local mais confortável para estender a toalha.

Até que reparamos que o parque de campismo alugava canoas. Alugava canoas a um preço que mais tarde viemos a perceber que era perigosamente baixo.

Como nunca tinha andado de canoa, e como era apenas 10 euros por duas horas de milhões de diversão, lá fomos nós.

 

 

1, 2, 1 , 2 , 1 , 2

1, 2, 1 , 2 , 1 , 2

Rapidamente apercebemos-nos de duas coisas:

1-remar custa

2-não sabíamos remar

Com a barragem de Montargil mesmo, mesmo lá ao fundo, decidimos que duas horas iria dar mais do que tempo para lá chegarmos. Afinal de contas, não sabíamos remar, mas rapidamente iríamos aprender.

Paisagem e mais paisagem. E a barragem lá ao funnndo.

Paisagem e mais paisagem. E a barragem lá ao funnndo.

 

Percebemos agora porque é que o preço do aluguer era tão baixo. Remar custa. Custa muito. Deviam subir o aluguer para não haver ideias.

De volta ao parque de campismo,  os nossos vizinhos da frente acabavam de receber a visita do Zézito.

Zé Carlos pronto para o trabalho, já em tronco nu.

Zé Carlos pronto para o trabalho, já em tronco nu.

 

O atrelado é uma tenda de dimensões avantajadas.

chegada2

Atrelado em posição.

 

E nasce uma borboleta.

E nasce uma borboleta.

 

Plof. Montada!

Plof. Montada!

 

O jipe vinha, claro, carregado até ao tecto.

O jipe vinha, claro, carregado até ao tecto. Pronto para a aventura!

 

Olhando para as nossas simples bicicletas com alforges, decidimos que afinal não éramos campistas a sério. Para já trouxemos camisas, o que claramente não era necessário para acampar. Fomos então dar um giro pelo parque para ver como é que se acampa a  sério.

 

campismoaserio

Claramente não percebemos nada disto. Nem MEO trouxemos na bicicleta. Nem um bocadinho de relva falsa. A tenda mais à direita é uma cozinha. A sério.

 

campismoaserio3

Seis mil euros parece-me um bom preço. Reparem na excelente mobília de inox. Aquilo nunca mais acaba! Relote, avançado, tenda de cozinha, mobília de inox… excelente negócio!

 

Nós nem pedrinhas tínhamos à volta das tendas, criando assim um jardinzinho de inspiração Japonesa. Mestre.

Nós nem pedrinhas tínhamos à volta das tendas, criando assim um jardinzinho de inspiração Japonesa. Nem cactos, nem cadeiras de jardim ressequidas. 

Para apagar as mágoas, voltámos às nossas tendas microscópicas e fizemos um café no nosso fogão microscópico.

Para apagar as mágoas, voltámos às nossas tendas microscópicas e fizemos um café no nosso fogão microscópico.

Enquanto comíamos a nossa micro-marmelada nas nossas micro-bolachas, pensámos. Será que é isto que é acampar?

Pelo menos, o jantar estava bom.

 

Sem Comentários

Publicar um Comentário