Porque é que os ciclistas não cumprem regras de trânsito?

Esta foi, mais ou menos, a pergunta que foi feita num grupo do Facebook dedicado ao ciclismo urbano. Se a pergunta, por si só, foi feita num tom ambíguo, paternalista até, o que por si só me parece relativamente mau, pior é constatar o seguinte: em centenas de comentários, não se chegou a um consenso nem por parte dos ciclistas, havendo até, pontos de vista profundamente contraditórios. Reina o achismo, o argumento matrícula-seguro-capacete, o “respeito sempre todas as regras a 100%”, etc etc. Nenhuma desta linha de argumentação vai ao cerne da questão, tal como ignora problemas fundamentais:

-a actual estrutura rodoviária priviligia quase exclusivamente os automóveis, fornecendo aos utilizadores dos mesmos uma utilização desmesurada e egoísta do espaço público a preços muito baixos.

-No ano de 2017, morreram cerca de 500 pessoas nas estradas portuguesas. Causas das colisões (evitei o uso da palavra acidente): excesso de velocidade/velocidade excessiva e condução sob o efeito de alcóol. Carregar no acelerador ou beber mais uma fresquinha na tasca boçal não é um acidente: é negligência, para não usar outros adjectivos.

-A real e omnipresente sensação de insegurança por parte de TODOS os utilizadores da via pública. Seja no passeio, na ciclovia ou na estrada. Os grandes causadores desta insegurança? Os automobilistas e motociclistas, não os ciclistas.

Isto são factos.
E contra factos…

Por vezes, a GNR ou PSP faz um post que tem como temática os ciclistas. Quase sempre, esse post é inundado de comentadores profissionais do achismo, que misturam problemas,conceitos e opiniões numa bela sopa. Estranho é que quem clama pelo cumprimento das regras por parte dos ciclistas, raramente comenta nos outros posts da GNR e PSP que falam do excesso de velocidade por parte dos condutores e motociclistas. Mas basta ver quando surge uma notícia sobre operações Stop, radares,etc. Rapidamente surge o “caça à multa” ou o “deviam é preocupar-se com os criminosos a sério”. Como fazer sentido disto? Se nem os ciclistas se entendem, como vou esperar que os automobilistas se entendam com os ciclistas e peões?

Algumas pistas:

-O carro prometeu-nos liberdade. Com o passar do tempo, a liberdade deu lugar à prisão. Há sítios em Portugal nos quais não se consegue viver sem carro. Até para ir comprar comida é preciso o carro. E não falo de zonas rurais. Ou seja, o que dantes era a liberdade e facilidade de ir a todo lado, é hoje em dia, com a massificação do uso do automóvel, uma prisão com ar condicionado. As deslocações diárias são,para muitos, um inferno. Face à dimensão titânica do problema, muitos respondem “não posso fazer nada!” E, para além disso, a norma social é a condução a qualquer hora e para todo lado, de preferência com lugar à porta.

-…o que torna um ciclista em alguém com um comportamento minoritário, logo, repreensível e aberrante. Basta lembrar-me de quantas vezes me perguntaram se vim “até aqui” de bicicleta e que era maluco por o fazer.

-Em Portugal, é notória a ausência de reflexão. A falta constante de se colocar no lugar do outro. O pensar no bem estar dos outros. Os traços negativos só aumentam ao volante de um carro.
O condutor, que já se sente “preso” ao volante da sua prisão, irá reagir a qualquer alteração daquilo que acha expectável encontrar na estrada com maior agressividade.
Seja essa alteração um engarrafamento, a falta de estacionamento ilimitado, aumento de impostos relativos ao carro, crescentes limitações de circulação com o automóvel em centros urbanos, controlos policiais visando a segurança de todos,etc.
E claro, sem nos esquecermos dos ciclistas,que (irritantemente para o Zé automobilista) , não são afectados pelos engarrafamentos, falta de estacionamento, impostos e limitações de circulação. Resumindo: para o Zé automobilista, os ciclistas fazem o que querem e ainda por cima não pagam nada. Ou seja, por debaixo de tudo, há, entre outras coisas, um ressentimento.

-Alguns ciclistas, alinham neste pensamento e por isso dizem que cumprem a 100% o código. Cumprem porque acham que se o fizerem, estão a ser bons cidadãos. Isto claro, sempre esperando que os outros também o farão.

Também o faria (cumprir o código a 100%), se de facto as infraestruturas fossem feitas a pensar em todos e não só em alguns. E se houvesse uma fiscalização de facto efectiva que devolvesse o sentimento de segurança às estradas. E sobretudo, se não tivesse de conviver com gente profundamente inconsciente todos os dias, cada vez que pedalo numa estrada. Aqui está a resposta à questão. Os ciclistas não cumprem algumas regras porque acham que as regras não se aplicam a eles, pois todo o sistema não foi feito a pensar neles e sentem-se mais seguros assim. Ou melhor: os utilizadores principais do sistema (automobilistas) acham que só eles têm direito de usufruir do mesmo. E demonstram-no através da sua condução, pensando só neles. Manobras perigosas, excesso de velocidade , velocidade excessiva, uso do telemóvel ao volante, estacionamento onde calha, etc. O presenciamento constante de tudo isto aumenta a sensação de impunidade e de insegurança. Daí, mesmo que os ciclistas queiram jogar pelas regras. Sendo confrontados diariamente com o acima descrito, não admira que alguns sintam a necessidade, por razões de segurança, de “dobrarem” algumas regras.

…para o Futuro e para tentar resolver o problema:

– A diminuição da circulação automóvel individual nos grandes centros urbanos.
-Reconfiguração das nossas ruas para servirem sobretudo as pessoas e não um grande volume de automóveis circulando a velocidades mais ou menos altas.
-Aumento da fiscalização efectiva, com castigos fortes que reflectem de facto a gravidade das acções praticadas. Um carro tem um potencial de causar danos muito maiores do que uma bicicleta.
-A diminuição da sensação de insegurança constante nas nossas ruas trará mais utilizadores de bicicleta.

Ler Mais

Serra da Estrela

Desde pequenos que o sabemos: o ponto mais alto de Portugal continental fica na Serra da Estrela. Dois mil metros de altitude. Na verdade, não são bem 2000 metros, mas fica lá bem perto. E, para quem sobe de bicicleta, não são uns metros a menos que vão fazer a diferença na sensação de termos conseguido fazer algo que nem todos fazem, nem que se se faz todos os dias.

Quando recentemente fui convidado a ir à cabana/retiro do Artur da Lisbon Cycling, algures pela Serra mais alta de Portugal, não pude deixar de dizer que não. Afinal de contas, não é todos os dias que subimos de bicicleta até à Torre. Sim, iria custar, mas o que é o cansaço quando se ganha paisagens e vistas fabulosas?

 

 

 

Começámos a nossa subida na aldeia de Unhais da Serra, uma localidade do lado da Covilhã. Sempre me disseram que começar em Manteigas era mais fácil, razão pela qual não comecei lá.
Já sabíamos mais ou menos o caminho, mas claro que não custa confirmar no GPS local: o grupo de homens sentados à beira da igreja local. Asseguraram-nos que a subida era fácil e que eram só 15 kms. Já sabendo o que a casa gasta, saímos preparados. Para aqueles que me estão sempre a perguntar o que levo dentro do saco, levo comida a sério (nada de barras energéticas) e roupa.

 

O nosso trajecto iria incluir uma secção de estrada em terra batida. Excelente! Vamos começar.

Uma coisa se entende rapidamente: o caminho é sempre,sempre a subir. Pela estrada que serpenteia montanha acima, rapidamente ganhamos altitude. Subindo a Nave de Santo António, reparamos que as casas tornam-se mais pequenas e as montanhas, que ao fundo pareciam pequenas, são agora enormes blocos maciços de granito e xisto. Uma coisa que nunca deixa de espantar é a dimensão titânica destes maciços de pedra, que irrompem, direcção ao céu.

 


À medida que continuamos a subida, é que nos vamos apercebendo ainda mais da dimensão da Serra – o seu tamanho parece aumentar a cada curva. Entra o jogo mental de não desistir: a paisagem ajuda a manter a força de vontade em cima. A cada pedalada ficamos mais perto do nosso objectivo.

Subir uma estrada de montanha deste calibre é um exercício de humildade: sentimos-nos mesmo pequenos.

 

Já na estrada de terra batida, tenho um furo. Aquele galho cheio de espinhos decidiu atravessar-se mesmo à frente da bicicleta. E para ajudar, a minha bomba de quadro desistiu de encher pneus. Felizmente tinha uma mini bomba de urgência que deu para continuar caminho até à nossa próxima paragem. O almoço. O saco veio cheio de queijo da serra, pão a sério e doce. Claro que a cafeteira também veio.

Até à Torre, ainda teríamos de subir mais. As últimas pedaladas são sempre as mais difíceis. Mais difícil é ver que a Torre e tudo o que o rodeia é feio. Um centro comercial terrível. Um parque de estacionamento ainda pior. Domingueiros com as suas dominguices. Mas não subimos até cá acima para ver coisas feias. Abstemo-nos destas vistas e concentramos-nos noutras. Cá de cima, podemos ver longe. Muito longe. Valeu a pena.

 

As montanhas sempre tiveram algo de mítico. Acima do plano da existência profana do dia a dia, o sagrado das alturas contrasta com o quotidiano. O ar é fresco e limpo. O vento frio corta. O céu, a nossos pés.

 

Ler Mais

Passeio Velo Corvo- A Mercier foi a Sintra

 

Para ir a Sintra nunca é preciso grande desculpa, pelo menos para mim. E como entretanto terminei a Mercier do Pedro, a ocasião apresentou-se. A bicicleta ficou excelente e claro, nada melhor do que ir a Sintra para a voltinha de teste.

Já há algum tempo que não fazia um passeio Velo Corvo. O bom tempo está aí. Por isso, nada melhor do que um passeio com picnic, paisagens bonitas e molhar os pés no Atlântico.

Evento criado, grupo reunido. Depois da já habitual viagem de comboio para evitar as horríveis paisagens suburbanas e trânsito correspondente, chegámos à estação de comboios de Sintra.

DSC_0338

Uma senhora decidiu que tinha de passar à minha frente para sair pela saída especial. “Tinha comida ao lume”, disse o Pedro. O que vale é que estamos geralmente bem dispostos.

A estação de Sintra é agora um ponto de encontro de caça turistas. Tuque tuques, tures, táxis e autocarros barulhentos. Começar os passeios mais tarde tem destas coisas: apanhamos com muito mais de tudo o que é menos bom.

A Raleigh mais bonita de sempre

A Raleigh mais bonita de sempre

Os passeios Velo Corvo têm algumas tradições. Em Sintra, para-se para se comprar queijadas. E para-se na fonte Mourisca na Volta do Duche. Garrafas e alforges cheios, siga o passeio.

DSC_0355

Passando o centro da Vila e seu bonito Palácio, hoje prendados com a efusiva e colorida visita do Grupo Motard “Amigos do barulho”, seguimos em frente, passando tudo o que é ósteis, hamburgueres da moda e lojinhas de suvenires.

DSC_0349

 

 

Começava a subida.

Realmente, ter uma bicicleta dos anos 70 com uma corrente das antigas torna meter mudanças nas subidas numa aventura. Parece que estou a usar uma colher ferrujenta para meter as mudanças, mas não, é apenas a combinação do desviador Simplex com a corrente das antigas a trabalhar em cima de dentes sem rampas. Enfim.

A subida para o Castelo, pelas 11 da manhã, é uma maravilha. Condutores impacientes para desfrutar da natureza mais rapidamente, ultrapassam-nos em tudo o que é curva e estrada estreita.

Pelo menos não vinha ninguém na outra faixa.

E todos estávamos bem dispostos. Como é que é possível não estar? Ter uma paisagem destas, aqui tão perto de casa é um privilégio. Privilégio este que muitos veêm como objecto postal e não como algo que transcende a simples “paisagem bonita”.

Primeira paragem no topo da subida para o Castelo. Uns dedos de conversa trocados e seguimos direcção à Peninha. Aqui, o trânsito automóvel quase que não existe. Afinal, o Castelo e Palácio eram para o outro lado. Para este lado, entramos no domínio dos caminhantes, ciclistas com roupa especial, barras energéticas com sabor a porco no espeto e turistas perdidos.

A estrada é fantástica. Dá gosto pedalar aqui. Sou lembrado de que pedalar por estas estradas é uma espécie de exercício meditativo, entre o pedalar rítmico e o desenrolar mais lento da verdejante paisagem.

DSC_0372

 

DSC_0368

 

DSC_0376

Mais uma paragem, para reagrupar.

DSC_0381

A estrada para a Peninha continuava. Mas não antes de sermos interrompidos por um senhor envergando um colete reflector. Era mais um passeio de motas. Desta vez, do Vespa Clube não-sei-de-onde. Vréééééééééééé pela estrada em cima. Enfim, exercício meditativo interrompido. Vespeiro do colete reflector acende cigarro e monta-se na mota para se juntar ao passeio, desfrutando da Natureza, seguindo a ambulância (para haver uma resposta mais rápida caso algum tropece a sair da mota direcção ao porco no espeto) e carro com atrelado reboque .

Antes da super-subida para a Peninha, parámos no bonito miradouro. Lá, trocamos mais uns dedos de conversa. O António trocou uma cerveja por um obrigado. O Pedro não aguentou a sede, pois a Mercier dele ainda não tem um porta garrafas. E como já tinha subido muito, comeu também uma queijada. O Rui da Raleigh mais bonita de sempre ponderava a compra de mais uma bicicleta.

DSC_0396

DSC_0394

 

DSC_0395

 

DSC_0396

 

Somos acompanhados por um grupo forrado a licra, que olha para nós com olhar desconfiado. É assim a vida.

A paisagem daqui é bonita. Dá para ver o Guincho, Cascais e às vezes o cabo Espichel. Próximo passeio deve ser até lá. Tudo para correr bem!

Já faltava pouco para chegar à Peninha. Mas antes teriamos de subir mais um pouco.

DSC_0390

DSC_0393

A subida para a Peninha é uma das mais íngremes da Serra. Como não quis passar vergonha a tentar meter mudanças, não fui a pé, sofri em silêncio.

 

Chegados à Peninha, é então altura de encher as garrafas na fonte de água cristalina.

DSC_0423

Tirámos alguns bonitos retratos, para emoldurar.

 

DSC_0434

Visto ser Domingo e estar bom tempo, as mesas de picnic estavam ocupadas por uma familia numerosa e barulhenta. Os cães estavam histéricos com a beleza natural do local, pois não paravam de ladrar. As crianças desfrutavam da natureza, dando pontapés na bola, chutando a mesma contra os mágicos pedregulhos que encontramos na Peninha.

Fomos então parar uns largos metros mais à frente, para irmos almoçar.

 

DSC_0447 DSC_0456

Cada um trouxe o que acho melhor. O Pedro foi preguiçoso, apesar a Mercier ter dois porta bagagens, obrigou a mulher a trazer-lhe almoço. Não me queixei pois também comi.

DSC_0462

Depois do café feito e de pernas repousadas, estava a altura de começar a rápida descida para o Guincho. A Mercier subiu muito bem. Aliás, acho que todos subimos muito bem. Até o António que trouxe a casa atrás.

DSC_0469

Zás, montanha abaixo. A minha Pyrinées Sport não passa dos 50 km/h nesta descida. Algures entre não ter mais relação de pedalada e os travões Mafac Racer (com calços originais) a abrandarem, achei melhor não de aventurar muito.

A Mercier e Pedro, perdi-os de vista.

DSC_0473 DSC_0478

Rapidamente chegámos ao Guincho. Daí, até à praia, foi um tirinho. Antes de ir para a água, ainda houve tempo para arranjar uma bicicleta da Decathlon. Não tenho descanso. O que vale é que a água estava boa. Os mais prevenidos até trouxeram fato de banho!

DSC_0488

DSC_0483

Do Guincho até Cascais é um instante. Claro que o facto de irmos todos comer um gelado à concorrente sem fila da Santini ajuda.

Comer gelado depois de um dia a pedalar ao Sol ajuda. Melhor do que comer um gel energético com sabor a ananás e frutos silvestres.

Passeio terminado. Eu estava cansado e fui de comboio. Uns pedalaram até Lisboa, passando cerca de 1000 carros parados na Marginal. Sou lembrado do tenebroso plano de um candidato à Câmara de Oeiras. A sua página de “projetos” é saída de um filme tipo Blade Runner. Viadutos e túneis. Desnivelamentos, faixas extra em autoestradas e parques de estacionamento. E só pensava, na minha viagem de comboio: tanta gente encravada dentro de um carro, perto de uma das mais bonitas paisagens de Lisboa e ao mesmo tempo tão longe….

Gostaram do texto? Gostariam de vir a um dos Passeios Velo Corvo? É fácil: sigam a página Facebook e estejam atentos.

PS: O Pedro pediu-me para referir que conseguiu atingir os 75kmh com a Mercier na descida. Acredito sempre no Strava.

PS2: obrigado António pelas fotos!

Ler Mais