Velo Corvo no Lisbon Bicycle Film Festival

Nos passados dias 12 a 13 de Setembro, deu-se em Lisboa mais uma edição do Bicycle Film Festival, um festival de cinema que celebra a cultura velocipédica em todas as suas vertentes.

O Festival começou na 5ª feira, não com um filme, mas com uma corrida Alley-cat, pelas ruas de Lisboa. Para quem não sabe o que é uma corrida Alley-cat, imaginem uma corrida na qual se tem de pedalar rapidamente pela cidade, para ir a determinados pontos obrigatórios. O tempo é quem determina o vencedor e  os pontos obrigatórios só são conhecidos após o sinal da partida. Muita diversão e adrenalina nesta corrida nocturna!
Eu já participei em vários. Digo sempre que  “é a última vez que me meto numa coisa destas”, mas geralmente caio sempre na tentação de participar outra vez.

6a feira marcou o início das sessões de filmes. Variedade é a palavra que mais posso usar. Não pude ir a todas as sessões, só tendo ido aliás, a duas sessões no Sábado à noite. Uns filmes marcaram-me mais do que outros. Não vou aqui fazer uma resenha de cada um, mas no geral, a opinião foi muito boa.

O ponto comum em todos estes filmes é relação única que o ciclista tem com a sua bicicleta, tão poética e sentida. Transposta em filme, os resultados são quase sempre bons!

Outro ponto alto neste festival foi a festa de Sábado à noite. Geralmente, fazer sprints de bicicleta não é considerado divertido. Mas quando se tem DUAS bicicletas ligadas a um software que permite medir a distância e tempo pedalado, estão reunidas as condições para um bom espectáculo e uma boa competição.

Os Bike sprints são uma experiência dolorosa. Para mim, ganhar um bike sprint é bom, mas ganhar significa que se vai  ter de sprintar outra vez. E sprintar traz as inevitáveis dores. E a já habitual sensação de “porque é que me meto nestas coisas”. Mas logo que essa sensação acaba, vem a seguinte. Quando é a próxima sessão de sprints?

A comunidade de bicicletas de Lisboa e Portugal ainda pode ser considerada pequena. Mas está a crescer. O Festival é sempre um ponto de encontro para reunir os nossos amigos que também amam a bicicleta. E haverá algo melhor? Ver filmes, falar sobre bicicletas, festa e alegria?

O Velo Corvo aguarda já a próxima edição!

Um restauro inesperado

Na semana passada, o Corvo rumou a Sul em busca de praias mais quentes.

Quando passava férias, surgiu mais uma reparação a fazer. Desta vez foi uma IBA, já com cerca de 30 anos.  Componentes FAPRIL, travões LUSITO. Esta era completamente (pronto, em grande parte, digamos) portuguesa!

restauro IBA geral

Olhando à primeira vista para a bicicleta, pensei logo: esta vai ser fácil. Nem o espigão de selim, nem o avanço estavam calcinados no quadro (maravilha!). Não havia ferrugem em demasia. As peças estavam todas na bicicleta! Em principio, seria só trocar cabos, bichas, câmaras de ar e pneus. Em princípio.

...um bocadinho de ferrugem fica sempre bem...

Claro que não poderia ser assim tão simples. Ambos os cabos de  travão estavam presos às manetes de travão – uma situação inédita para mim. Foi uma daquelas situações em que devia ter ficado calado. “Espero que não chova” – começa a chover. Bem, para retirar o cabo de travão, foi necessário desmontar a manete toda e forçar a peça de alumínio de modo a conseguir tirar o cabo. Serve de lição: nas reparações ou restauros, o que pode parecer simples, pode não ser! Acabei por perder mais tempo a resolver o problema do cabo do que a reparar o resto da bicicleta.

Ultrapassado este colorido obstáculo, vinha o próximo. Encontrar quem vendesse cabos e bichas. Curiosamente, era mais fácil encontrar bicicletas de 7000 euros do que cabos de travão. Lá encontramos uma loja de motorizadas e bicicletas, daquelas que estão imutadas pelo tempo. Consegui inclusive comprar a bicha de cor cinzenta! 13 euros depois, saímos da loja com cabos de travão e mudanças, bicha, um par de calços de travão e duas câmaras de ar.

A montagem correu normalmente. As mudanças permaneceram afinadas durante 20 anos ( o  tempo que a bicicleta esteve parcialmente desmontada) . Um ponto a favor das mudanças não indexadas!

Os pneus vieram de outra loja, tendo recomendado uns mais altos e grossos do que os originais 700×23. Agora a IBA rola mais confortável com uns 700×25.

iba pneus

Iba travões

Trinta anos depois, esta IBA volta a rolar. Pode não ser a bicicleta melhor do mundo. Mas é isso que a torna encantadora : algo barato e popular, continua a poder ser reparado. As coisas eram feitas para durar! Basta agora montar os para-lamas e o porta bagagens e está pronta para mais umas décadas de serviço.

Pintura – decapar ou pintar por cima?

Num post anterior, decidi que iria pintar a Motobecane de novo. Já não fazia sentido manter uma pintura sem grande valor histórico e que, ainda por cima, já está bastante danificada. E terei um ponto a favor, por pintar o quadro. Posso escolher a cor. Mais pontos a favor poderão ser soldar apoios que originalmente não estão presentes no quadro e retirar apoios que deixam de ser necessários, dependendo das peças que iremos montar.

O que estamos a fazer com a Motobecane não pode ser considerado um restauro. Não a vamos restaurar ao seu estado original. Vamos fazer renascer a bicicleta com um espírito retro.

Um aspecto técnico inportante na pintura é: pintar por cima da tinta já existente ou decapar e pintar de novo?
Mas antes de respondermos a esta pergunta, temos de responder às seguintes:

-quando tempo e dinheiro pretendemos gastar?

– qual a qualidade e durabilidade do esquema de pintura que queremos?

As respostas: quero gastar pouco e ter uma qualidade aceitável. Vou optar por pintar por cima da tinta existente.

Como posso saber se a pintura está suficientemente boa para pintar por cima? Como podemos ver nas fotografias do post anterior, não é visível muita ferrugem. Os pontos sem tinta não têm corrosão profunda.

O custo total será cerca de 20 euros,  e posso escolher a cor que quero. Se optássemos pela decapagem com jacto de areia, o preço seria 3 a 4 vezes mais.

Agora vem a parte mais difícil. Escolher a cor!

ral-colours-palette-chart