As 1001 dicas do Tio para pedalarem felizes-7

Compraste uma bicicleta “vintage”. E reparaste que o avanço/outras peças de alumínio estão com um aspecto triste.

Não faz mal. Um bocado de paciência e material resolve a situação.

Vamos precisar de:

1-wd40. O nosso melhor amigo.

2-Palha de aço.

3- Paciência

4-Duraglit para aquela limpeza e brilho obsessivo

 

Vamos então começar.

collagelimpeza

 

 

Primeiro quadrado: avanço triste.

Segundo quadrado: preparar material! Wd40, palha de aço e paciência.

Terceiro quadrado: pegar num bocado de palha de aço, borrifar um bocado de WD40 na palha de aço e avanço e começar a esfregar. Deverá começar a ficar logo mais limpo.

Quarto quadrado: que maravilha. Para aquele brilho, bastaria usar Duraglit ou outro material para polir metais.

 

 

 

Ler Mais

Os defensores do código

As já não tão recentes alterações ao código da estrada começam a fazer sentir-se para quem pedala habitualmente pelas estradas de Portugal. O alarmismo apocalíptico do Presidente do A.C.P não se traduziu num aumento dramático de acidentes (causados pelos ciclistas).

Carlos Barbosa: um homem decidido.

Carlos Barbosa: um homem decidido.

Mas, o que se faz sentir, e bem, é a constante onda de palpites (para não lhes chamar outras coisas) dos defensores do código. Da estrada, isto é. Estes moralistas, usando o seu vasto conhecimento, que vai desde o treino de equipas de futebol (era fora de jogo; o Robalinho era o melhor ponta de lança), finanças públicas (nas eleições é só promessas, quando lá chegam é só roubar), política internacional (esse país é tipo Luxemburgo, tenho um primo meu que lá trabalha e recebe cinco mil aéres que é para aí 1500 contes na moeda antiga), voltaram as suas atenções para os ciclistas. E claro, as alterações do código da estrada.

Geralmente não é este o gesto que fazem com a mão.

Geralmente não é este o gesto que fazem com a mão.

Alimentados por uma bizarra inveja, estes moralistas e condutores excelentes, não perdem uma oportunidade para fazer ouvir a sua voz. Ora através de berros dados pela janela do carro (vai para o passeio! A estrada é para os carros!), ora através de comentários deixados anonimamente em caixas de comentários de jornais online ( no meu tempo era precizo ter licença para ter biciclete e agora nem seguro tem e nos temos de pagar seguro já para não falar de estarem sempre a passar vermelhos) ora a demonstrarem a superioridade automóvel e mestria da sua condução ao passarem por nós a meros centímetros de distância.

De carro é que é bom.

De carro é que é bom.

Para não variar, o caminho para a bicicleta em Portugal ainda está a meio, se calhar nem tanto. Ciclovias (?!) não existentes, leis insuficientes e , o que considero ser o maior problema, uma falta de educação e cultura gerais. Se soubéssemos conviver todos, não seriam necessárias tantas leis e regras. Se soubéssemos tratar o carro cada vez mais como a excepção e privilégio que é, em vez da arrogância motorizada do dia a dia, deslocando-se 50 metros para estacionar em segunda fila porque “é só para ir ali ao café e eles dão a volta”, metade dos problemas não existiriam.
E quando digo conviver todos, falo também dos ciclistas. Ninguém gosta de te ver forrado a licra justa a fazer gincanas entre as pessoas. Ninguém gosta de te ver a ocupar a estrada desnecessariamente (eu sei que já se pode circular a par, mas se o carro não consegue passar, deixa passar).

Vou só deixar esta fotografia aqui.

Resumindo, utilizar algo que já se perdeu. Senso comum.

Foto ligeiramente inspiradora.

Foto ligeiramente inspiradora.

Ler Mais

A agonia de andar de carro em vez de pedalar, parte I

 

Sim, admito que tenho carro e de vez em quando até o uso. Não devo ser o único dos ciclistas de uso carro e se calhar muitos de vocês partilham da minha agonia. Mas que agonia? Os anúncios do carro prometiam estradas maravilhosas e famílias felizes.

 

felicidade

Mulher ao volante, perigo constante. Nem para a estrada olha. Mulheres, estou a brincar (riso nervoso).

 

 

 

 

 

felicidade2

Impossível. As crianças nem estão a discutir.

 

 

maxresdefault

Isto deve ser ali para os lados de Palmela, não?

 

 

 

maravilha

Guiar e fazer para-pente AO MESMO TEMPO. Isso é que era.

 

Em vez de vistas assim, apanhamos, geralmente, com isto:

 

Obrigado, José Rodrigo dos Santos.

Obrigado, José Rodrigo dos Santos. Mãozinha no queixo, para intelectualidade acrescida.

 

Usar o carro, guiar pelas estradas portuguesas é horrendo. Destroi qualquer um. Abaixo seguem alguns exemplos de coisas que contribuem para esta agonia:

 

Panfletinhos irritantes

 

Entramos no carro. Ontem estava cá um que deitei fora, mas hoje já cá está outra vez. Mais um para a colecção.

DSC_0148

Deus te ama. Eu sei Fernando, eu sei. E tu também me vais amar quando me conseguires sacar o Renault a pitroil por 200 euros para o revenderes a 700 porque “as coisas estão difíceis”.

 

 

LCD 32 dois tracinhos? VOU JA.

LCD 32 dois tracinhos? VOU JA.

 

Mafug? Eu não tive uns travões desta marca? Será que ele me consegue sacar o copo do eixo pedaleiro que teima em não sair?

Mafug? Eu não tive uns travões desta marca? Será que ele me consegue sacar o copo do eixo pedaleiro que teima em não sair?

 

Zás. Vou já marcar uma visita.

Zás. Vou já marcar uma visita.

 

Sofás (a maior exposição de Maples do País, na Reboleira, junto aos Escapes Moisés) em desconto, agentes Remax com suas gravatas reluzentes, Mestres Djambos, Bumba, e afins.

Mas o mais comum é o “compro carros mesmo que não andem, para abate e acidentados pago o melhor preço” etc etc etc.

 

Nascem como cogumelos. Já estou a imaginar a conversa telefónica.

 

Zé Carlos dos automóveis- Amigue, quanto custa fazer 1000 panfletes daqueles piquenos?

Tipografia Moisés- Tem de dizer o tamanho que quer, o tipo de papel….

Zé Carlos dos automóveis- Companheiro, é tipo panfleto, prontes, para fazer reclame ao meu stander de automóveis.

Tipografia Moisés- Ah, você tem stand.

Zé Carlos dos automóveis- Bem, não é um stander mesmo, tenho uns carros estacionados ali na retunda centro sul.

Tipografia Moisés- Procurava um Mrucedes a gasoil, tem algum?

Zé Carlos dos automóveis- de momento nada. Mas queria é panfletos. Quanto custam 1000?

Tipografia Moisés- Ora isto fica aí para uns 10 contes na moeda antiga, isto dá tipo 50 aéres.

Zé Carlos dos automóveis- e 10000 panfletes?

Tipografia Moisés- Isso fica mais barate para si. Tá a ver, se fizer mais estrago menos matrial.

Fica para aí nos 20 contes. 50 aéres.

Zé Carlos dos automóveis- tá feite. Depois vejo se encontro um Mrucedes a pitroil. Não quer um Rover a pitroil? Olhe que é bom matrial, está imaculado, só precisa de um bocadinho de massa de polir, que aquilo sai tudo.

Tipografia Moisés- Mas quem é que quer um Rover?

 

 

Azeiteiros

 

Carros com pintura mate, vidros fumados, jantes foleiras, e pior. Autocolantes. Para além disso, geralmente guiam mal. E acham-se donos do mundo, não apenas da estrada.

 

Bonito.

Bonito.

 

 Bombas de gasolina

 

Vendem quase tudo menos gasolina. Pelo menos com a dificuldade que tenho cada vez que quero meter gasolina, é assim que me parece. Chocolatinhos, jornais, pãozinho, café, bolinhos, bolachas, revistas, cigarros, whisky caríssimo, pilhas, etc. Abaixo segue uma situação comum numa bomba de gasolina.

 

Como sempre, escolho a fila que demora mais- a pessoa à minha frente decidiu transferir os pontos do cartãozinho para sei lá aonde.

Como sempre, escolho a fila que demora mais- a pessoa à minha frente decidiu transferir os pontos do cartãozinho para sei lá aonde.

“bomba em pré-pagamento” (começa bem)

 

eu- Boa tarde, queria meter 20 euros sem chumbo 95 na bomba 4.

funcionária desinteressada- olhe que tem de esperar que o senhor que está à sua frente acabe de abastecer.

….compasso de espera….

 

(conversa habitual ouvida entretanto)

-queria um café em chavena escaldada

-podia aquecer o rissol?

-queria um copo de água

-Esta bola tem creme?

-não, é o outro mais queimadinho

-…e um pacote de Português Suave.

 

eu- já posso pagar?

Funcionária desinteressada- espere só um bocado (desaparece e volta para tirar mais uns cafés)

..compasso de espera

diga lá

eu- queria meter 20 euros de sem chumbo 95 na bomba 4.

funcionária desinteressada- é só?

eu- sim

funcionária desinteressada- tem cartão de pontos?

eu- não

funcionária desinteressada– e não quer um?

Eu-NÃO

funcionária desinteressada- olhe que dá pontos

eu-não quero, obrigado

funcionária desinteressada-e cartão poupa mais?

Eu-não, só queria meter gasolina E IR-ME EMBORA

funcionária desinteressada- e não quer aproveitar a nossa promoção para levar um chocolatinho? São dois por preço de um.

eu- ….

 

 

Taxistas

 

É preciso dizer mais alguma coisa?

Abaixo, podemos ver o que uma pessoa normal vê na estrada.

 

Espera, não era esta a fotografia.

Espera, não era esta a fotografia.

 

Eu sei, falta o para-pente e o dia de Sol, mas na vida real é assim. Aguentem!

Eu sei, falta o para-pente e o dia de Sol, mas na vida real é assim. Aguentem!

 

Abaixo, o que um taxista vê.

 

"Vai ser um granda jogo, o Robalinho está a jogar para caraças"

“Vai ser um granda jogo, o Robalinho está a jogar para caraças”

E isto é só uma pequena amostra… Eventualmente irei usar o carro outra vez. E virá a parteII.

Até lá, usem a bicicleta, deixem o carro em casa.

 

Ler Mais